Filme “Emanuel”explora o perdão em meio à tragédia

Filme Emanuel

Filme Emanuel

O filme 'Emanuel' explora o perdão em meio à tragédia: 'Deus participa de nosso sofrimento' (entrevista exclusiva)

Em “Emanuel”, testemunhas, sobreviventes e familiares afetados pelos eventos em Charleston, SC compartilham suas histórias. Grace Hill Media

Todavia em 2015, os Estados Unidos ficaram cambaleando depois que um supremacista branco de 21 anos abriu fogo durante um estudo bíblico na Igreja Emanuel AME em Charleston, Carolina do Sul, deixando nove afro-americanos mortos.

Roof atirador da igreja "Emanuel"

Mas o que o homem pretendia para o mal, Deus usou para o bem.

Assim sendo para o choque de um mundo observador, quarenta e oito horas depois, em meio a tristeza e sofrimento indizíveis, as famílias dos Emanuel Nine fizeram um anúncio impressionante: perdoaram o atirador Dylann Roof pelo ato hediondo.

A decisão deles de perdoar Roof e trabalhar em prol da reconciliação provocou um movimento de bondade que afetou cidades muito além de Charleston.

Marcando o quarto aniversário do trágico evento, os produtores executivos Stephen Curry e Viola Davis, a co-produtora Mariska Hargitay e o diretor Brian Ivie (The Drop Box) apresentam “Emanuel”.

O filme apresenta entrevistas íntimas com sobreviventes e familiares e destaca o poder curativo do perdão. O documentário, nos cinemas por apenas duas noites – 17 e 19 de junho – tece poderosamente a história das relações raciais em Charleston, o significado e o impacto da Igreja Mãe Emanuel e a esperança que milagrosamente resultou do terrível tiroteio.

O filme foi feito em parceria direta com a cidade de Charleston e as famílias afetadas pela tragédia. Os produtores doarão sua parte dos lucros do filme aos sobreviventes do tiroteio e às famílias das vítimas.

Em uma entrevista exclusiva ao The Gospel Herald, o diretor de Emanuel, Brian Ivie, compartilha seu coração pelo filme – e por que ele acredita que o documentário unirá o mundo de uma maneira poderosa.

Por que você decidiu fazer este documentário?

Desse modo todos nós ouvimos essa história quando foi publicada em 2015, mas eu estava na minha lua de mel em Cancun na época e entrei no hotel um dia para ouvir minha esposa chorando. Ela disse: “nove pessoas acabaram de ser baleadas em uma igreja – e as famílias perdoaram o atirador.” Lembro-me de olhar para minha esposa e dizer: “Espero que quem conta essa história não pule essa parte”. meio que atordoado com a resposta das famílias ao assassino, e eu senti que essa era uma história que precisava ser contada.

Como sua visão de mundo foi afetada ou alterada quando você fez este documentário?

Como cristão, você é desafiado a pensar: “Eu reagiria dessa maneira se minha mãe ou esposa fosse morta?” A sobrevivente Polly Shepherd fala sobre como havia duas luzes na sala no dia do assassinato: a luz da presença do Senhor e a luz do laser da arma. Dessa maneira essas famílias passaram por muita coisa, mas viram a presença de Deus. Isso foi um desafio para mim. Mas em um nível mais humano, fui desafiado a entender que o racismo ainda existe, e ainda existem feridas. Eu entendo a dor da comunidade afro-americana em um nível mais profundo.

Por que você acha que essa tragédia em particular afetou milhões nos Estados Unidos em um nível tão profundo?

Assim também eu acho que vai ao cerne do que a América é. Entendemos que a igreja deveria ser o único lugar onde você pode encontrar refúgio e segurança; é por isso que a comunidade afro-americana passa 4 horas em um culto, em vez de entrar e sair de lá. Você se sente humano e vivo lá, e, para que isso seja violado, isso é profundo para as pessoas. E a comunidade branca também ficou triste e sobrecarregada. Eu acho que isso motivou as pessoas a aparecer e dizer: “queremos estar lá com você”.

Por que você precisa deste filme agora?

Estamos incrivelmente divididos e isso está se tornando mais extremo. Vai levar pessoas que passaram por dores e tragédias e perdoaram outras pessoas para nos unir. Nosso mundo precisa de liderança e amor assim. Está dizendo: “Eu suportarei todo o peso do erro e ainda desejarei o bem ao transgressor”. É tão importante nos dias de hoje. Vivemos em um mundo onde as pessoas não sabem que Deus existe, então espero que as pessoas tenham um vislumbre dele aparecendo em uma situação em que Ele era mais necessário.

Por que era importante fazer este filme em parceria direta com a cidade de Charleston e todas as dez famílias afetadas pela tragédia?

Eu queria contar a história para homenagear esses mártires. Eles morreram fazendo o que mais acreditavam. As famílias me disseram: “queremos que o mundo saiba onde Deus estava nisso tudo”. Foi essencial para mim; Eu queria que a família contasse suas histórias. Eu não queria que fosse sobre Dylann Roof. É uma história redentora. Essas famílias foram as primeiras a ver o filme, e todos deram sua bênção.

Polly Shepherd, a sobrevivente, assistiu ao filme e não parava de chorar. Ela me abraçou depois de assistir e compartilhou como era curativo para ela.

O que você quer que os espectadores tirem deste filme?

Eu quero que as pessoas tirem que Deus é real e Ele participa do nosso sofrimento, principalmente na pessoa e obra de Jesus Cristo. Esse é o meu coração. É difícil sentir isso; Eu não sabia que pessoas que haviam passado por tanta tragédia poderiam ser curadas, mas ainda estudam a Bíblia até hoje. Espero que as pessoas saiam entendendo a cura que vem com o clamor a Deus em oração. ‘Emanuel’ é um exemplo do que acontece quando as pessoas fazem isso. O filme não é apenas sobre fé; é sobre justiça e tentar conseguir um lugar em nosso país onde possamos nos arrepender e curar, e é aí que podemos nos unir e entender o plano de Deus para nós.

conheça o site: ajeitandoseulado.com.br

teólogos corrêa

Teólogos Corrêa fundadores da "Teologia Com Qualidade" traz os melhores cursos de Teologia do modo livre além de deixar você atualizados com o "Blog Da Verdade" e mais de 100 livros em pdf para você fazer o seu download.

Deixe uma resposta