As 7 garantias da vida cristã

As 7 garantias da vida cristã

As 7 garantias da vida cristã

Leia 1 Timóteo 1: 1-4 e 3: 14-15

1 Paulo, apóstolo de Jesus Cristo, por ordem de Deus, nosso Salvador, e de Jesus Cristo, nossa esperança, 
2 a Timóteo, meu legítimo filho de fé, que a graça, a misericórdia e a paz lhe sejam dadas. Deus Pai e Jesus Cristo, nosso Senhor! 
3 Lembro-lhe a exortação que lhe enviei quando parti para a Macedônia, quando prometi que ficasse em Éfeso, para aconselhar certas pessoas a não ensinarem outras doutrinas, 
4 e não a apegar-se a infinitas fábulas e genealogias, que produzem discussões em vez de avançar a obra de Deus na fé.

14 Escrevo estas coisas para você, esperando ir em breve. 
15 Mas, se eu demorar, você saberá como se comportar na casa de Deus, que é a Igreja do Deus vivo, o pilar e o apoio da verdade.

Primeiramente o apóstolo Paulo contratou Timóteo para ficar em Éfeso como pastor encarregado da Igreja. Logo assim, Timóteo trabalhou com Paulo, mas agora ele está sozinho, embora ainda jovem (cf. 1 Timóteo 4:12), para participar de uma assembléia importante cujos problemas são numerosos além disso delicados. Sendo assim pode-se entender então que ele sente uma certa apreensão. Mas Paulo diz a ele as sete garantias fundamentais que Deus lhe dá para realizar um ministério frutífero e eficaz.

Afinal e nós? Nesse sentido de acordo com a expressão de 1 Timóteo 3:15, sabemos como nos comportar na casa de Deus, a Igreja do Deus vivo? Logo que sabemos como nos conduzir em nossa família, entre esposos, entre pais igualmente os filhos, semelhantemente em direção a nossos vizinhos, enfrentando uma situação difícil? De fato que perplexidades costumam saber e adotar a atitude certa. Mas as sete garantias que são a base de nossa vida cristã além disso de nossa vida cotidiana constituem um incentivo muito precioso.

1) Deus nosso Salvador

Dessa maneira a  expressão é peculiar às epístolas pastorais. Isto é, Em qualquer outro lugar, o Novo Testamento fala de Jesus Cristo, nosso Salvador, e da salvação de Cristo. Assim sendo não devemos esquecer, ou seja, que é Deus quem está na origem de nossa salvação, é ele quem a concebeu e realizou: ” Porque Deus amou tanto o mundo que deu seu único Filho, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna “(João 3:16).

Portanto, quando o homem é convertido, ele é salvo da ira de Deus e da morte (1 Tessalonicenses 1: 9, João 5:24); além disso, está escrito: “Agora não há condenação para os que estão em Cristo Jesus” (Romanos 8: 1)

No entanto, após a conversão, quantas coisas ainda ameaçam o crente. Em síntese pode ser: em primeiro lugar uma experiência negativa, em segundo lugar uma memória dolorosa, em terceiro lugar um mau hábito. Desse modo também devemos descobrir como a carne, isto é, nossa carne, é inimiga de Deus e tem desejos contrários aos do Espírito (Gálatas 5:17). Além disso, nossa mentalidade, nossos hábitos, nossas concepções ainda são marcadas pelas falsas realidades do mundo. Em suma, “nosso adversário, o diabo, perambula como um leão que ruge, buscando quem ele devorará”(1 Pedro 5: 8) Mas em todas essas coisas, Deus é nosso Salvador e podemos abordá-lo com a certeza de sua intervenção.

2) Jesus Cristo, nossa esperança

Em primeiro lugar devemos afirmar a plenitude da obra de Cristo na cruz: “Tudo está realizado” (João 19:30). “Ele pode perfeitamente salvar aqueles que se aproximam de Deus por ele” (Hebreus 7:25). Nesse sentido não é um meio olá, ou um olá 99%, mas um olá perfeito, infinito e absoluto. Eventualmente fomos santificados de uma vez por todas, em outras palavras, levados à perfeição para sempre (Hebreus 10: 10,14). “Ainda não vemos que todas as coisas estão sujeitas a isso” (Hebreus 2: 8).

 Mas o versículo 9 diz: “Jesus, nós o vemos coroado de glória e honra por causa da morte que ele sofreu”. Desse modo a glorificação de Cristo é a promessa, a prova da perfeição infinita de sua obra. É Nesse sentido que Jesus é a nossa esperança. Em virtude podemos olhar para ele com confiança, perseverança, até que seu trabalho se torne gradualmente uma realidade vivida em nossa vida cotidiana.

emagracedor ultra power max
Ultra Power Max

3) Deus Pai

Todavia estamos cientes do profundo valor dessas palavras: “Deus nos gerou conforme a sua vontade, pela palavra da verdade” (Tiago 1:18)? Por certo Ele nos deu vida, sua própria vida imperecível, além disso a ressurreição de Cristo mostrou. Consequentemente, nos tornamos “participantes da natureza divina” (2 Pedro 1: 4). Por certo ser filho de Deus não é um rótulo preso na testa de um indivíduo, mas ter em si a própria vida de Deus, a própria natureza de Deus. É nesse sentido o apóstolo João expressa sua alegria neste assunto, dizendo: “Veja que amor o Pai nos mostrou, para que sejamos chamados filhos de Deus! E nós somos (1 João 3:1).

Acima de tudo se Deus é assim nosso Pai, logo assim é com que cuidado e com que seriedade ele deseja cuidar de nós. Portanto, implica também uma certa disciplina em relação a nós. “Pois quem é o filho a quem o pai não castiga?” (Hebreus 12: 7). No entanto, essa disciplina também tem um aspecto de segurança. Eventualmente o crente costuma tender a se afastar, a ser atraído por realidades fúteis ou perigosas. Mas a vara de nosso bom pastor nos tranquiliza (Salmo 23:4), porque ele poderá intervir no momento certo para trazer de volta as ovelhas que se perdem.

4) Jesus Cristo nosso Senhor

Ademais o Senhor despojou os domínios e as autoridades, entregou-os publicamente em espetáculo, triunfou sobre eles pela cruz ( Colossenses 2:15 ). Ele conquistou o diabo e os demônios, o mundo e suas realidades odiosas, o pecado além disso sua infinita miséria. É dessa maneira que Ele os privou de seu poder e sua sedução. Como resultado a partir de agora ele está acima de qualquer nome que possa ser nomeado ( Efésios 1:21 ), e com toda certeza nada que possa acontecer pode escapar de seu olhar. Mas o Senhor realmente reina em nossas vidas? Ele nos resgatou inteiramente, mas é nossa responsabilidade colocá-lo no controle dos diferentes aspectos de nossas vidas.

Às vezes, queremos cuidar de certas coisas, podemos ter um “jardim secreto”. Mas esse jardim secreto provavelmente produzirá muitas ervas daninhas além de frutas venenosas. Todavia que possamos realmente retribuir ao Senhor toda a nossa vida.

Para esclarecer as quatro primeiras garantias emanam da própria pessoa de Deus e da obra de Cristo, as três últimas são as consequências.

5) Graça para você

Todavia a graça é a disposição essencialmente benevolente de Deus para todos os homens. Deus quer a salvação e o bem de todos, e quanto mais para aqueles que se tornaram seus filhos. A graça também é a ajuda especial que o Senhor deseja nos dar; é sua ação muito eficaz e suficiente em uma determinada situação.

 

Em primeiro lugar alguém está desanimado? Que a graça seja dada a você, para lhe dar coragem, para restaurar sua confiança por uma nova visão dos recursos que estão em Cristo, em segundo lugar alguém está derrotado ou prestes a desistir?

A graça seja concedida a você para parar a queda e transformar a derrota em vitória, em terceiro lugar alguém é vitorioso? Que a graça seja concedida a você para que a vitória permaneça uma realidade diária, vivida para a glória de Deus.

vida nova
!!!! super ofetra imperdível !!!!

6) Que a misericórdia seja dada a você

Inegavelmente a misericórdia implica que Deus tem um coração para o infeliz. Isto é, o meio de receber a graça de Deus. A fim de que sentimentos nos aproximamos de Deus para expor nossas necessidades e dificuldades? Ou seja é ao pensar que merecemos algo ou que temos algum valor que justifica a intervenção de Deus em nosso favor? “Os sacrifícios que agradam a Deus são um espírito quebrantado: ó Deus! não desprezas o coração partido e contrito “ (Salmo 51:19). É com toda certeza que na medida em que estamos cientes de nossas fraquezas, nossas lacunas, nossa indignidade que podemos encontrar o coração de Deus que nos concederá a graça necessária.

7) Paz seja dada a você

Por fim esta última garantia é de fato a consequência das seis primeiras.

Portanto se entendermos que Deus é nosso Salvador e que Ele absolutamente quer nos salvar em qualquer situação difícil, podemos ter paz.

É dessa forma que vemos pela fé a plenitude da obra de Cristo e se nela depositamos nossa esperança com a certeza de que ela chegará a tempo, podemos ter paz.

Desse modo percebermos que Deus é nosso Pai, que nos comunicou sua própria vida e sua natureza divina e que deseja cuidar de nós como o pai cuida de seu filho, o que também implica uma certa disciplina, podemos ter paz

Nesse sentido compreendemos o senhorio de Cristo que conquistou perfeitamente todas as realidades negativas, que controla todas as coisas neste mundo, e se abandonamos efetivamente nossa vida sem reter nada para nós mesmos, podemos ter paz.

Na mesma linha compreendemos a realidade da graça para recebê-la em todas as ocasiões, podemos ter paz.

Certamente se tomarmos nosso lugar como pecador e aceitarmos nossa total incapacidade, mas com a certeza de encontrar misericórdia de Deus, podemos ter paz.

Sendo assim a paz tem sido considerada como o barômetro da vida cristã. Ainda estamos em alta pressão? Ou conhecemos as alternâncias de baixa e alta pressão, esperança e desespero?

Resumindo, que o Senhor nos dê a oportunidade de compreender a realidade prática das maravilhosas garantias que Ele nos dá, para que possamos caminhar com ele com confiança e realizar Sua obra.

 Escrito por Michel Ratte   as 7 garantias da vida cristã

teólogos corrêa

Teólogos Corrêa fundadores da "Teologia Com Qualidade" traz os melhores cursos de Teologia do modo livre além de deixar você atualizados com o "Blog Da Verdade" e mais de 100 livros em pdf para você fazer o seu download.

Deixe uma resposta