Benção e Maldição

Benção e Maldição

Um texto retirado do "Pastor de Israel"

Benção e Maldição 

Ademais não é fácil restaurar nesse meio tempo tudo o que poderia nos trazer o estudo dessas duas palavras. De fato, somente elas resumem grande parte do plano de Deus para a humanidade.

De tal forma, elas, como muitas outras palavras, passaram por deformações inevitáveis ​​engendradas pela história além disso, imaginação dos homens. 
Portanto, estamos falando de sorte, “baraka” (palavra em árabe, próxima ao hebraico “bra’ha”), ou mais familiarmente “sorte no pote” ou “falta de pote”! Também se ouve expressões como “lei da série”, negra em geral: acidentes, doenças, também: tenho a má sorte ou o mau olho. 
Só para exemplificar esses eventos felizes ou infelizes, recorre-se ao acaso, ao destino, à boa estrela, à ousadia por fim astúcia do homem. Ainda mais, os céticos, os fatalistas, os supersticiosos e bem como os mais “razoáveis”

Mas quais são essas duas palavras na Bíblia: “bênção” e “maldição”? Todavia como podemos entender o verdadeiro significado aplicado às nossas vidas?

Benção

Benção e Maldição
Benção e Maldição

Acima de tudo na bíblia, a raiz barach, é mais frequentemente usada para o verbo abençoar, que na mesma linha também é derivado da palavra bênção (em hebraico: bra’ha ). Nesse sentido essa raiz pode ter muitos significados, isto é, dependentemente de ser usada em uma ou por outra forma verbal do hebraico. Eventualmente pode significar bênção, louvor, preenchimento de propriedades, ser abençoado, etc. Logo que essa raiz é encontrada cerca de 350 vezes no “Tana’h”, a Bíblia Hebraica.

Em primeiro lugar um dos significados deste verbo é semelhantemente à palavra “bere’h”, joelho e significa: ajoelha – se. Decerto alguns podem pensar que primeiramente você tem que dobrar o joelho para receber a bênção! 
Mas vamos deixar as explicações mais fantásticas para tentar entender o significado dessa palavra. 

Bênção é, antes de mais nada, uma “palavra do bem” proclamada por Deus, um favor. “Deus disse a Abraão:  Encherei você de bênçãos e multiplicarei sua prole como as estrelas do céu … todas as nações da terra serão abençoadas em sua prole, porque você obedeceu à minha voz … “ (Gen. 22: 15-18).

O que o homem acha sobre benção

A princípio achamos que a bênção concedida por Deus, imerecida e gratuita, parece paradoxalmente condicional. No Sinai, Israel recebeu uma lei perfeita. Dessa forma todo o povo teve que se submeter a ela para receber as bênçãos do ETERNO: prosperidade (clima favorável, colheitas abundantes, fertilidade entre homens e animais) paz (segurança e vitória garantidas sobre possíveis inimigos, saúde). Desse modo a bênção final é a presença de Deus no meio do seu povo: “A minha morada estará no seu meio, andarei entre vós, e você será o meu povo …” (Lv 26: 11-12)

Enquanto isso o homem também pode pronunciar “palavras de bem” para com Deus ou por outra com seus semelhantes. O rei Davi clamou: “Minha alma, abençoe o Senhor, não esqueça todas as suas boas obras, mas aquele que perdoa seus pecados … que o coroa com benevolência e compaixão” (Salmo 103: 1-5). De acordo com a antiga aliança, os sacerdotes deviam entregar uma bênção a todo o povo: “Que o Senhor te abençoe e te guarde …!” (Números 6:24)

Em conclusão sobre a benção

Consequentemente a bênção é, portanto, concedida por Deus às suas criaturas. O homem pode responder às bênçãos de seu Criador, abençoando-o, proferindo palavras de gratidão, adoração, amor a Deus, ainda mais ele também pode invocar a bênção de Deus para seus semelhantes. 
Nesse sentido para amar a Deus e assim como o ao próximo, tais são os slogans que apoiam a bênção, a palavra e as boas ações, na Torá: “Escute Israel, você amará o SENHOR, seu Deus, com todo o seu coração … e com o seu próximo. como você “ (Dt 6: 4 e Lev 19:18). Em conclusão, a bênção suprema é a presença de Deus espalhada no coração do homem e acompanhando-o em todas as áreas e todas as circunstâncias de sua vida.

emagracedor ultra power max
Ultra Power Max

Maldição

Ademais a palavra “maldição” é menos comum que a anterior no Tanach. Em duas formas, ele volta cerca de 80 vezes, dessa forma, maldição é uma condenação do infortúnio de Deus em resposta à rebelião aberta e desobediência.

Por certo o povo de Israel não pôs em prática os mandamentos dados pelo Senhor, seguiu-se uma série de punições de severidade crescente. Eles tinham, acima de tudo, um escopo pedagógico: isto é, eles deviam ajudar o homem a tomar por consciência de uma falha em relação a Deus ou ao próximo assim, incitá-lo a voltar do mau caminho. 

estudo bíblico
benção e maldição

Logo que um sacrifício oferecido pelo culpado sinceramente arrependido poderia lhe abrir novamente o acesso à presença, portanto, favor de Deus. Sobretudo Israel mais de uma vez sucumbiu à tentação de adorar deuses falsos feitos pelas mãos dos homens. Consequentemente todo o povo sofreu eventualmente por consequências de tal conduta. Por exemplo: empobrecimento, fome, seca, ameaças e invasões de nações inimigas, deportação e cativeiro, etc.

Conforme a lista de maldições registradas nos livros de Levítico e Deuteronômio ( Lv 26 Dt 11:27-28 ), podemos conhecer muitas das causas, além da idolatria, como resultado na maldição: desprezo e desrespeito aos pais ou o vizinho (viúva, órfão e estrangeiro em particular), deboche e perturbações sexuais, mentiras e crimes premeditados. E sob o mesmo ponto de vista para fechar uma lista já longa:

“Maldito aquele que não respeitar TODAS as palavras desta lei e não as pôr em prática” (Dt 27:26).

Uma vez que essa frase terrível permeia a desobediência e a maldição: quem pode se vangloriar de nunca ter quebrado um ou outro dos mandamentos, mesmo os menores, da Torá?

Quem pode fazer o bem?

Com toda certeza o rei Davi, ciente de suas próprias fraquezas, declarou que ninguém pode fazer o bem” (Sl 14: 3). De maneira idêntica o profeta Jeremias usa uma imagem muito clara: “Um etíope pode mudar a cor de sua pele e você poderia fazer o bem, você que está acostumado a fazer o mal?” (Jer 13:23) 

Assim, a Torá nos mostra o modo de vida: “Você observará minhas leis, e quem as colocar em prática viverá por elas …”(Lv 18: 5). Mas, ao mesmo tempo, esta lei nos condena à maldição suprema por causa de nossa incapacidade de pôr em prática todas as “mitsvot” por amor a Deus e aos homens. A presença do ETERNO deixa o templo e os corações; Angústia e morte cobrem a humanidade com um véu gelado e opaco …

Se você voltar

“Abandonei minha casa, abandonei minha herança …” (Jr 12: 7). Posteriormente depois de ter inspirado essa sentença ao profeta Jeremias, em 586 antes da vinda do Messias, em seguida o Senhor permitiu que Nabucodonosor, o rei da Babilônia, sitiasse Jerusalém. Este rei atacou a cidade, além disso destruiu o templo e levou o povo de Israel em cativeiro.

Dessa maneira o chamado dos profetas, no entanto, soou muitas vezes durante o longo período de infidelidade do povo de Israel. A punição infligida ao reino do norte (Israel), anteriormente à dois séculos atrás não foi suficiente para educar as pessoas que permaneceram em Judá, no sul. Por isso aqui temos uma prova histórica irrefutável do cumprimento literal das palavras da Torá pronunciadas por Deus.

Mas esta lei também nos mostra a saída: “Se você voltar ao Senhor e obedecer a ele com todo o seu coração … Ele trará de volta seus cativos, fará bem a você, circuncidará seu coração.” para que ames o SENHOR de todo o coração, para que vivas “ (Dt 30:10). 

Portanto, essa promessa foi cumprida quando Israel, arrependido ( Daniel 9 , Esdras 9 , Neemias 9 ), retornou parcialmente à terra prometida após 70 anos de exílio na Babilônia. Mas o profeta não apenas anunciou esse retorno, mas também o advento de uma nova aliança … ( Jeremias 31:31-34 )

O rei amaldiçoado "benção e maldição"

Todavia na lista de motivos que levaram à maldição, está escrito: “Maldito aquele que ficar pendurado na árvore” (Dt 21:23). O Messias Jesus foi pendurado na madeira, pregado na cruz com o consentimento dos líderes judeus e romanos, de acordo com o que o rei Davi havia anunciado: “Os reis da terra e os príncipes lutam juntos contra o SENHOR e contra seu Messias “ (Sl 2:1-2 e At 4:25-26).

Dessa forma é ainda explicado para nós que o Messias Yeshua, Jesus, nos libertou do domínio da maldição porque ele próprio concordou em levar essa maldição sobre ele. 
Uma imagem emprestada da história do povo de Israel nos ajuda a entender melhor o significado dessa maldição pronunciada sobre o Filho de Deus em nosso lugar. 

vida nova
!!!! super ofetra imperdível !!!!

Só para exemplificar, no deserto do Sinai, após uma rebelião (causada pela falta de confiança) em relação à NOITE e a Moisés, as cobras picam muitas pessoas que morrem rapidamente após a picada. Dessa maneira todo Israel, ciente do castigo divino, pede a Moisés que implore o perdão de Deus, como resultado o SENHOR ordena a Moisés que modele uma cobra de bronze e a fixe em um poste. Todos que olham para ele são imediatamente curados e libertados. (Números 21:1-9) .

Nicodemos e Jesus "benção e maldição"

Em uma entrevista com Nicodemos, um dos líderes judeus que é membro do Sinédrio, Jesus comenta sobre este evento: m deve ser para que todos os q“Moisés, no deserto, levantou a serpente de bronze em um poste, e assim o Filho do Homeue nele creem tenham a vida eterna “ (João 3:15). É voltando nosso olhar para o Messias, sinceramente arrependido, que podemos escapar da maldição, para a morte. A partir de agora podemos receber a presença de Deus em nossos corações pelo seu Espírito. Ele nos traz a garantia do perdão de nossas falhas, a paz que flui dela e uma vida que se estenderá além da morte, uma vida eterna em sua presença, sua bênção final …

Que benção?

Um ponto de interrogação permanece: quais são os efeitos da bênção, ou mesmo da maldição, para aqueles que, tendo reconhecido em Jesus o Messias, receberam esse perdão e vida eterna? 
Posteriormente, discípulos do Messias foram mortos, dispersos, torturados por causa de sua fé (nos primeiros séculos e ainda hoje em alguns países). Alguns de nós não vivem em prosperidade material brilhante. Ainda mais outros são afetados por sofrimento, doença. 

O que pensar?

Em primeiro lugar, é preciso lembrar que Deus havia prometido felicidade e prosperidade a Israel. Mas ele também o advertiu a não esquecer que ele era o distribuidor de todos esses bens: “Quando você comer, ficará satisfeito, abençoará o SENHOR, seu Deus, pela boa terra que ele lhe deu… “ {Dt 8:10-11). Não foi por causa de seu poder, número ou lealdade a Deus que Israel havia  escolhido. Pelo contrário! (Dt 7:7-8 e 9:4-7 ) 

Sobretudo somente Deus foi quem, em virtude de sua escolha, de seu amor, elegeu esse povo para fazê-lo conhecer, assim como todas as nações da terra, seu plano de cura, de salvação ( Gênesis 22:15) . Nesse sentido afirmamos, é a presença de Deus que representa a bênção suprema. Em abundância e em miséria, é para ele que nossos corações devem permanecer inteiramente voltados. 

Em segundo lugar, a prosperidade pode muito bem enganar os homens: os reinos vizinhos não eram mais poderosos, mais ricos que Israel? O salmista Asafe declarou que “invejou os tolos ao ver a prosperidade dos ímpios: nada os atormenta até a morte e o corpo estarem cheios … o orgulho os serve de colarinho e a violência das roupas … também são os ímpios: sempre quietdos, acabados pelo terror … “os, eles são cada vez mais ricos … “

Mas o autor acrescenta, no entanto, que ele ” pensava entender, era doloroso até eu entrar na Casa de Deus Na presença dele, entendi o destino final dos ímpios: você os coloca em um caminho escorregadio … num instante em que são aniquila”

Aprendizagem sobre benção e maldição

Portanto, Deus é nosso Pai e é verdade que ele “nos corrige” porque “Deus corrige quem ele ama …” (Pv 3:11-12 e Hb 12:3-11). Nesse ínterim, para nos manter no caminho, Deus usa vários meios: seu Espírito, uma promessa de sua presença em nossos corações, pode ser “entristecido” (como resultado de alguma falha) e não pode então comunicar plenamente a alegria, amor e paz do alto.

Às vezes, testes físicos ou morais são uma maneira de nos “abalar” durante um período de “descontentamento espiritual” ou um pecado notório. Mas não vemos sistematicamente, nos dolorosos eventos de nossa existência, os efeitos de uma maldição sobre Deus, a resposta tempestuosa às nossas falhas e fraquezas. Ainda mais seria esquecer que a bênção suprema está na presença de Deus em nós.

Só para ilustrar, a história de Jó responde a nossas perguntas sobre o sofrimento dos “justos”. (Embora saibamos, como Jó, que, na realidade, ninguém, exceto Deus, está certo!) ( Jó 42:1-6 ). 
Muitos não reconheceram neste Jesus nascido em uma humilde morada e morto após um sofrimento terrível, o Messias veio trazer bênçãos ao seu povo. O profeta Isaías anunciou, no entanto, que o homem de dor “não teria brilho para atrair nosso olhar …, mas o castigo que nos dá paz recaiu sobre ele …” (Isaías 53).

Paulo

Por fim, lembremos que Paulo, o rabino que se tornou um discípulo fervoroso do Messias Jesus, sofreu provações terríveis: naufrágios, aprisionamentos, apedrejamentos etc. Mas ele viu nessas provações o efeito da graça de Deus! ( 2 Cor 12: 9-10 ). 

Paulo percebeu que a promessa do Messias Yeshua, feita a todos que o seguem, continua sendo a maior das bênçãos: “Estou convosco todos os dias até o fim do mundo” (Mateus 28:20). O intrépido apóstolo proclamou que “nem a morte, nem a vida, nem os domínios, nem o presente, nem o futuro, nem nenhuma criatura podem nos separar do amor de Deus em Jesus, o Messias, nosso Senhor! “ (Rom 8: 38-39)

Na carta dirigida aos “Hebreus”, somos lembrados que é pela fé no ETERNO que homens e mulheres alcançam grandes vitórias em suas vidas pessoais; mas é também pela fé que alguns aceitaram sofrimento e dificuldades ( Hb 11:32-40 ). Nossa fé no ETERNO e em Seu Messias nos protege da maldição. Essa fé não depende das circunstâncias boas ou esmagadoras, mas repousa no amor duradouro e constante do eterno nosso Deus.

Em conclusão sobre benção e maldição

Benção e maldição – Com o advento da nova aliança, escrita e selada em nossos corações pelo Espírito Santo do ETERNO, também somos chamados a abençoar nosso próximo. Podemos abençoar aqueles que amamos, aqueles que compartilham nossa fé (isso é fácil!) Mas também nossos inimigos mais ou menos virulentos em relação a nós: “Ame seus inimigos, abençoe aqueles que o amaldiçoam, faça o bem àqueles que odeie, ore por aqueles que o maltratam e perseguem “ (Mat 5: 43-48).

Para colocar em prática esta palavra do Messias, devemos pedir-lhe toda a sua ajuda! É uma bênção servir aos outros e não dominá-los para serem servidos. 
Finalmente, temos a esperança de ver um dia a maldição aniquilada para sempre: na Jerusalém celestial “não haverá mais anátema, maldição …” (Apocalipse 22: 3). Mas podemos dizer agora: “Minha alma abençoe o Senhor e esqueça todos os seus benefícios!” (Salmo 103)

Escrito por Frédéric BAUDIN (Benção e maldição)

teólogos corrêa

Teólogos Corrêa fundadores da "Teologia Com Qualidade" traz os melhores cursos de Teologia do modo livre além de deixar você atualizados com o "Blog Da Verdade" e mais de 100 livros em pdf para você fazer o seu download.

Deixe uma resposta