Sou cristão

Sou cristão

4.7
(125)

Sou cristão

sou cristão e estou preocupado com:

Em primeiro lugar a minha orientação escolar ou a escolha de um emprego, ou ainda, estou desempregado e hesito em aumentar um pouco meu currículo para uma oferta de emprego.
Em segundo lugar eu me pergunto sobre a vocação, considerando servir a Deus e aos homens, mas será em tempo integral ou além disso da minha profissão?

Desse modo eu penso em casamento, mas com quem? Mas será que o celibato não me serviria melhor?
Nessa mesma linha gostaria de saber onde vou morar ou que mudança pedir? Ainda mais Que hobbies praticar? Semelhantemente posso ver esse filme, ler este quadrinho, esse romance?

Em resumo, grande ou pequeno, devo tomar decisões constantemente e desse modo gostaria de tomá-las de acordo com os mandamentos de Deus.

Decisões morais

Ademais as decisões morais parecem apresentar o menor problema: é certo ou errado? Visto que com relação a esse tipo de escolha, podemos escolher entre vários níveis de estimativa: por exemplo, nossa consciência, os usos comuns, as leis humanas, as leis reveladas por Deus. Todavia como cristão, acima de tudo nós com toda certeza procuraremos a resposta na Bíblia que é claramente expressa em várias questões morais, ou seja, incluindo os Dez Mandamentos além disso a obrigação de amar os outros como a si mesmo. Assim, podem ser tomados por inúmeras decisões para o nosso bem maior. Portanto eu devo optar por me recusar a preencher meu currículo, porque a Bíblia diz claramente “você não dará falso testemunho”. 

Não vou gostar de assistir filmes, ler quadrinhos ou ainda romances que zombam de Deus (você não blasfema) ou são sem vergonha ou ocultismo. Em outras palavras Foge da fornicação, condene as obras infrutíferas das trevas.

Decisões comuns?

Enquanto isso outras decisões parecem não ter valor moral direto e as tomamos “assim” sem nos referirmos ao Céu, por exemplo: Quais sapatos escolher ou como gastar seus presentes de Natal ou um retorno em dinheiro excepcional? 

Consequentemente também tomamos muitas decisões da vida cotidiana; no entanto, eles acabam dizendo muito sobretudo o nosso estilo de vida. Visto que as decisões mundanas também têm implicações morais e devemos praticar considerando-as: necessariamente comprarei os sapatos mais caros porque estão na moda, subtrairei dessa renda uma quantia para patrocinar uma criança refugiados?

Decisões estratégicas

Eventualmente entre as decisões morais e as banais, há algumas que são importantes, isto é, para as quais gostaríamos de receber uma resposta direta e precisa do Senhor: A escolha de um cônjuge, uma profissão, a orientação prática de nossa a vocação espiritual. 

Mas a Bíblia nos dá apenas exemplos de escolhas feitas por outras pessoas em outros momentos, além disso de alguns princípios gerais. Portanto muitas vezes clamamos “Senhor, mostre-me”, “Senhor, diga-me”, “Senhor, abra ou ainda feche a porta”. Dessa maneira parecemos espirituais porque estamos nos referindo ao Senhor. Mas aqui está, orações que o Senhor está esperando?

Cuidado com comportamentos "mágicos"

Ademais como interpretar os “sinais” que pedimos ao Senhor?
Todavia a porta parece se fechar: é o Senhor quem nos faz entender que é melhor parar, ou ainda é o diabo que multiplica os obstáculos?
Por conseguinte a porta parece se abrir: é o Senhor quem nos encoraja, ou o diabo que nos leva a uma armadilha?

Ou ainda tivemos uma visão, um sonho, uma profecia, um versículo bíblico desenhado aleatoriamente, uma série de coincidências (fazemos muitas dessas coisas em muitos círculos cristãos). Mas então, o que nos diz que a visão, o sonho ou a profecia vêm de Deus?

Com toda certeza o diabo pode de fato “se disfarçar como um anjo de luz”. Portanto temos com toda certeza de que o versículo escolhido aleatoriamente é bom para nós de tal forma que o entendemos bom? Porventura, não são as coincidências as que queremos encontrar? Além disso, Deus se presta a práticas que são estranhamente semelhantes à adivinhação? Outros compram as cartas ou consultam um clarividente!

Subjetividade da experiência "sou cristão"

Nessa linha de pensamentos todos os meios que mantêm a experiência são um problema sério: pois, somos realmente menos propensos a nos enganar buscando uma revelação direta ou indireta do que pensando seriamente? Visto que o perigo é grande de auto engrandecimento e dessa forma a nossa vontade pela vontade de Deus. Isto é, Deus é colocado a nosso serviço e desse modo a faculdade de raciocínio além disso a escolha que Deus deu ao homem é deixada de lado.

Em outras palavras será dito …, “mas no Antigo Testamento, ou nos Evangelhos e Atos, lemos que Deus frequentemente usa meios sobrenaturais para tornar sua vontade conhecida pelos homens”. Aliás é isso mesmo, Deus fez e pode fazê-lo novamente, mas a pergunta que devemos nos fazer é a seguinte: “Deus geralmente usa meios sobrenaturais para nos fazer conhecer Sua vontade?” 

Todavia, acho que temos que responder não, em primeiro lugar porque as Escrituras são os meios comuns pelos quais Deus revela Sua vontade e logo depois porque, se tivéssemos acesso direto à “Direção Divina”, não haveria tantas divisões entre os cristãos. Além disso, essas divisões não vêm precisamente do fato de que algumas têm tanta certeza de si mesmas, ou seja, acreditam que são inspiradas.

Decisões responsáveis "sou cristão"

Portanto, Deus quer que seus filhos tomem decisões responsáveis. Ele lhes deu o Espírito Santo para renovar sua inteligência, dessa maneira, Ele lhes deu Sua Palavra para servir de referência, isto é, Ele estabeleceu a família para que as crianças levassem em conta a opinião dos pais, Ele deu à Igreja para que eles pudessem manifestar dons de sabedoria e exortação. 

Ademais, Deus finalmente fez a oração para que pudéssemos perguntar a ele como crianças que decidiram assumir suas responsabilidades: “Senhor, ajude-me a fazer a escolha certa, ou seja, levando em consideração tudo o que você coloca à minha disposição para o bem do objetivo. aproveite sua vontade “. 

Posteriormente os meios sobrenaturais ou irracionais são frequentemente, infelizmente, remédios que provam uma grande imaturidade, uma fuga de suas responsabilidades. Em outras palavras qual pai aceitaria que seu filho adulto aparecesse constantemente para lhe dizer:

Devemos almejar “o estado de um homem consumado, cujo julgamento é exercido pelo uso, para discernir o que é bom e o que é mau” (Hebreus 5: 13). Não há liberdade cristã sem escolhas responsáveis, não somos autômatos ou zumbis!

O próprio apóstolo Paulo ...

Eventualmente, em 1 Cor 7.21-25, o apóstolo Paulo mostra que Deus nos deixa livres para ter opiniões e comportamentos diferentes em áreas nas quais ele não falou diretamente.

“Quanto às coisas que você escreveu para mim, acho bom …, no entanto (você pode fazer o contrário) … digo que por condescendência, não estou pedindo. Eu gostaria que todos fossem como eu … mas todo mundo tem um presente especial de Deus, um de um jeito, o outro de outro … Para aqueles (que estão nessa situação) eu digo que é bom para eles … mas (se houver algum problema, façam outra escolha) … 

Para aqueles que estão (em outra situação), eu ordeno, não eu, mas o Senhor .. para os outros, não é o Senhor, sou eu quem o digo … Apenas que cada um anda de acordo com a parte que o Senhor lhe fez … Não tenho ordem do Senhor, mas eu dê uma opinião, como tendo recebido a misericórdia do Senhor para ser fiel …Aqui está o que eu considero bom … Digo isso no seu interesse, não é para prendê-lo, é para prendê-lo ao que é bom e apropriado para prendê-lo ao Senhor sem distração. Se alguém olha (as coisas dessa maneira), que ele faz o que quer, ele não peca … mas aquele que tomou uma resolução firme, sem restrições e com o próprio exercício vontade e quem decidiu em seu coração (fazer o que eu sugiro), que se faça bem. “mas aquele que tomou uma resolução firme, sem constrangimentos e com o exercício de sua própria vontade, e que decidiu em seu coração (fazer o que eu sugiro), ele se saiu bem “.

Sou cristão

Mas aquele que tomou uma resolução firme, sem constrangimentos e com o exercício de sua própria vontade, e que decidiu em seu coração (fazer o que eu sugiro), ele se saiu bem “.

Acima de tudo Paulo mostra nessas observações que ele não era capaz de conhecer em todas as coisas a vontade de Deus e, posteriormente na maioria das situações da vida cristã, defendia escolhas ponderadas baseadas no conhecimento de Deus assim, de sua Palavra. Portanto, ao invés de esperar por uma resposta formal do alto, com toda certeza, devemos priorizar a busca do conhecimento de Deus por meio de sua Palavra.

. Desse modo que conhecendo-o que teremos uma consciência cada vez mais refinada do que lhe agrada ou não; visto que faremos, por conseguinte amor e intuitivamente, o que lhe agrada. Ás vezes a questão é não fazer ou não fazer, que é mais a lei, a questão é estar mais perto dele, porque existe a graça, ou seja, a capacidade de fazer por amor a vontade de Deus.

Exemplo: A escolha de um cônjuge "sou cristão"

Similarmente todos nós ouvimos um casal feliz contar como providencial o Senhor havia guiado seus passos a serem constituídos. Desse modo pensamos que havia em algum lugar a pessoa “única” que estava destinada a nós, ou seja, que Deus providenciaria, no momento certo, certamente para nos fazer conhecê-la. Daí as seguintes perguntas: “Mas quem e quando?” E esta oração: “Senhor, mostre-me precisamente, para que não me engane”. Todavia a espera parece cheia de fé, mas, de fato, essa disposição limita as possibilidades de encontro além disso prolonga um celibato que gradualmente se tornará cada vez mais difícil de apoiar. 

Portanto é improvável que o Senhor dê uma resposta, porque é uma área que é de nossa responsabilidade (Nm. 36:6 e 1 Cor 7:39).

Acima de tudo se aspiramos ao casamento e reconhecemos a validade dessa aspiração, devemos nos colocar, não em uma situação de espera, mas em uma situação de pesquisa. Ao nosso redor, há várias pessoas com as quais poderíamos unir nossa vida e realmente temos diante de nós vários cenários possíveis da vida conjugal. De tal forma é a escolha que fazemos que nos unirá e será reconhecida por Deus; não teremos o direito de dizer depois: “Eu estava errado”.

Há recursos suficientes na graça de Deus para tornar o casamento ainda mal pensado. Finalmente e atualmente tanta coisa para refletir sobre a parte de nossos sentimentos, nossa razão, conselhos. Em outras palavras vamos levar tudo em oração e tomar a decisão de que ninguém tomará o nosso lugar.

“Não se conforme com o século atual, mas seja transformado pela renovação da mente, para discernir qual é a vontade de Deus, que é boa, agradável e perfeita” Ro 12.2

    Assim escrito por: Marc Tennevin, professor

este post foi útil para você

Por favor clique nas estrelas para avaliar o post

Média de classificação 4.7 / 5. contagem de votos 125

Até agora nenhum voto! seja o primeiro a avaliar o post

Obrigado pela avaliação

siga-nos nas mídia sociais

Lamentamos que este post não tenha sido útil para você

vamos melhorar este post!

diga-nos como podemos melhorar este post

teólogos corrêa

Teólogos Corrêa fundadores da "Teologia Com Qualidade" traz os melhores cursos de Teologia do modo livre além de deixar você atualizados com o "Blog Da Verdade" e mais de 100 livros em pdf para você fazer o seu download.

Deixe uma resposta