Por que devo fazer Teologia

Por que devo fazer Teologia

5
(1206)

Por que devo fazer Teologia

Por que devo fazer Teologia

confira o que nosso curso disponibiliza para você

Curso BÁSICO em Teologia 100% EAD (Educação a Distância)
Certificado + Histórico + Carteirinha
PAGAMENTO ÚNICO! 
Sem Mensalidades
Os Cursos da Faculdade Teológica FAETESP, são Livres de caráter eclesiástico, ministerial, interdenominacional e Livre.
O Curso foi desenvolvido com metodologia Moderna e de fácil compreensão, 
Todo conteúdo esta disponibilizado na área de membro do aluno, ficando a critério do mesmo quando e como irá estudar.
A avaliação do Curso BÁSICO EM TEOLOGIA se dará mediante a confecção das provas, disponibilizada na Plataforma do ALUNO. 
AO TODO SÃO 12 DISCIPLINAS

   CURSO BÁSICO EM TEOLOGIA

       É Composto por 12 DISCIPLINAS

TEÍSMO – Doutrina de Deus.

CRISTOLOGIA – Doutrina de Cristo.

PARACLETOLOGIA – Doutrina do Espírito Santo.

SOTERIOLOGIA – Doutrina da Salvação.

ECLESIOLOGIA – Doutrina da Igreja.

PENTATÊUCO – Gênesis a Deuteronômio.

BIBLIOLOGIA – Doutrina das Escrituras.

EVANGELISMO GERAL E INFANTIL

OS EVANGELHOS

HOMILÉTICA – Arte da Pregação

HAMARTIOLOGIA – Doutrina do Pecado.

HISTÓRIA DA IGREJA

        BRINDE:

        Curso de ESCATOLOGIA em 24 Vídeo-Aulas

Confirme agora a sua inscrição

R$ 359,90 reais ou

parcele em até 12 x de 36,13 reais

Confira 10 motivos por que devo fazer Teologia

1. Porque até os evangélicos precisam evangelizar.

Hoje há muita discussão sobre o que significa ser evangélico, e a tentação é forte de definir um evangelicalismo essencial – fixá-lo a uma forma específica. Teologicamente, o problema com essa resposta é que “levar todo pensamento em cativeiro para torná-lo obediente a Cristo” (2 Cor 10:5) não é uma proposição única. É uma tarefa que precisa ser retomada novamente e novamente. Assim como a graça de Deus, esse empreendimento fundamentalmente teológico é “novo todas as manhãs” (Lam 3:23).

O evangelicalismo não é uma forma religiosa fixa ou segura ou sistema doutrinário. Não é uma tradição confessional ou uma denominação. Em vez disso, o evangelicalismo é uma maneira de se relacionar com Deus e o mundo, que enfatiza as boas novas de Jesus Cristo e sua importância na maneira como vivemos nossas vidas. Não existe uma maneira única de ser evangélico. Na verdade, o evangelicalismo está sempre no caminho, sempre “a caminho”. Assim, os evangélicos precisam sempre ser evangelizados.

Por que devo fazer Teologia

2. Porque não podemos sentir o caminho para o conhecimento de Deus.

A experiência sempre foi uma parte importante do evangelicalismo. De Jonathan Edwards e Charles Finney a Henry Blackaby e Dallas Willard, os evangélicos entendem há muito tempo que o evangelho exige uma resposta da vontade e uma conversão do coração. Essa ênfase geralmente dá a impressão de que podemos “encontrar” Deus na experiência. A avaliação de Chuck Colsonaqui é correta: a crença de que “as doutrinas devem ser extraídas da experiência interior – isto é, sentimentos pessoais” é “uma versão do gnosticismo”. O problema é que não há garantia de que as experiências de alguém apontem de fato para Deus. Precisamos de uma maneira mais certa de conhecer a Deus.

Felizmente, Deus providenciou o seguinte: “Ninguém jamais viu Deus, mas o único Filho, que é Deus e está em um relacionamento mais próximo com o Pai, o fez conhecido [ exegesato ]” (João 1:18) Em Jesus, temos a exegese de Deus e um fundamento firme para nossa fé.

Por que devo fazer Teologia

3. Porque a Bíblia não é um saco de fatos sobre Deus.

Em um esforço para evitar a armadilha da experiência imprópria de alistar-se como fundamento para nosso conhecimento de Deus, alguns se voltaram para as Escrituras como seu guia infalível para a fé e a prática. Mas muitas vezes essa mudança é feita sem pensar bastante nas dificuldades envolvidas na interpretação bíblica – e não apenas na dificuldade de aprender idiomas estranhos! Os apelos a este ou àquele texto foram utilizados ao longo dos anos para justificar qualquer número de posições éticas, da escravidão e do apartheid à subjugação de mulheres e pogroms anti-semitas . Além disso, todos os chamados “hereges” da história cristã conheciam muito bem a Bíblia e podiam encontrar amplo apoio para suas posições em suas páginas.

Para resolver esse problema, a igreja desenvolveu desde o início duas regras de interpretação: a “regra da fé” e a “regra do amor”. A regra do amor estipula que é preciso ler as Escrituras de uma maneira que promova o amor de Deus.

Deus e o próximo, e a regra de fé oferece as afirmações teológicas compartilhadas da igreja como um guia semelhante para a leitura. Jesus Cristo está por trás de cada uma destas regras: é ele quem promove o perfeito amor a Deus e ao próximo, e ele faz o Pai conhecido, como já mencionado. Devemos ler as Escrituras com um olho fixo em Jesus Cristo, e com um esforço constante para ver como cada porção das Escrituras nos aponta de volta para ele. Esse é o ônus da afirmação de Lutero de que “tudo o que promove Cristo é a Palavra de Deus a ser buscada e encontrada nas Escrituras Sagradas” ( Obras de Lutero 35: 396).

Por que devo fazer Teologia

4. Porque Deus gosta de estradas, não de becos sem saída.

O ponto aqui não é que Deus despreza os subúrbios e prefere a estrada aberta. Como metáfora, no entanto, é difícil não ver que Deus prefere estar – emprestando a linguagem de CS Lewis ao descrever Aslan – “em movimento”. Mas esse insight teológico é facilmente esquecido sob a pressão dentro de nossa sociedade pluralista de definir o que “Nós” acreditamos em oposição a “eles”.

O resultado é o que Roger Olson descreveucomo “uma certa militância em defesa da tradição doutrinária evangélica percebida” e “uma tendência de preencher a categoria ‘essencial’ (dogmas) das crenças cristãs com não essenciais”. Esse desejo de estabilizar a tradição e proteger contra desvios percebidos pode facilmente levar a uma espécie de ossificação teológica. Se a Palavra de Deus é realmente “viva e ativa” (Hb 4:12), uma defesa militante do passado pode resultar no silenciamento de Deus no presente. Aqueles que seguem esse Deus vivo também devem estar em movimento, testemunhando dinamicamente o evangelho de Jesus Cristo em nosso próprio lugar e tempo.

5. Porque a Nova Jerusalém será mais urbana do que suburbana.

Os cristãos geralmente trabalham sob a falsa suposição de que as formas culturais que herdamos de nossos ancestrais na fé são distintamente “cristãs”. Nossos antecessores culturais nos levam a interpretar mal o texto bíblico, a encontrar regras e diretrizes que simplesmente não existem. Normas culturais sobre dinheiro, gênero, raça, trabalho e família se infiltram em nosso subconsciente e penetram em nossa vida cotidiana. Eles aparecem em anúncios de televisão, em capas de revistas, em bate-papos no playground, em outdoors de rodovias, em seminários de pais patrocinados pela igreja e até em sermões.

Por trás de tudo isso, está a suposição de que existe apenas uma maneira de ser verdadeiramente humano e viver uma vida verdadeiramente humana – e, é claro, esse caminho é o nosso caminho. Mas quando olhamos para a Bíblia, vemos uma diversidade múltipla de identidades humanas e estruturas sociais. A “lei de Cristo” (Gálatas 6:2) não é um projeto, mas uma ordem para seguir a Cristo na diversidade de nossos contextos locais e na unidade do reinado vindouro de Deus. Quando Jesus rejeita os valores familiares predominantes de seus dias e os nossos (Mateus 10:35-36), ele não está nos dizendo para odiar nossa família. Ele está proclamando uma visão de fidelidade ao reino de Deus que é maior que as normas sociais de uma única cultura.

Afinal, estamos lidando com o Deus de Pentecostes, um Deus cujo reino abraça toda a panóplia da diversidade cultural. Testemunhamos na história do evangelho um Deus que não tem uma visão única para a vida humana, um Deus que rejeita uma criação monocromática, um Deus que prefere a bagunça vibrante à homogeneidade sem espírito.

Por que devo fazer Teologia

6. Porque Deus não é apenas um bom instrutor de auto-ajuda.

A cultura americana nos rodeia com a noção de que possuímos todos os recursos necessários para o sucesso e a felicidade. De fato, os Estados Unidos foram fundados na noção de que possuímos certos “direitos inalienáveis” da auto-realização: “vida, liberdade e busca da felicidade”.

Infelizmente, esse modo de pensar chegou à fé, pregação e adoração cristã. Ouve-se sermões para realização espiritual – ou mesmo material! -, canta canções de adoração que parecem mais preocupadas com as necessidades e emoções do cantor do que com Cristo, e encontra títulos nas prateleiras das livrarias que prometem proporcionar uma vida gratificante agora. Começamos a ver Deus em termos de nós mesmos: somos fracos, então Deus se torna forte; estamos sozinhos, então Deus se torna nosso amigo; nos falta conhecimento, então Deus se torna a resposta cósmica.

Dietrich Bonhoeffer nos lembra que a teologia não se dedica a “explorar as fraquezas e limitações humanas”. Em vez de entender Deus em termos de vida humana, a vida humana deve ser definida pelo poder de Deus em Jesus Cristo. A fé cristã reconhece um Deus que nos revela nossa verdadeira fraqueza – pecado – e age soberanamente em Cristo para nos reconciliar com Deus e uns com os outros. Como comunidade desse Deus, a igreja não é uma comunidade de instrução de auto-ajuda, mas um lugar de doação missionária. “Quem quiser ser meu discípulo deve negar a si mesmo, tomar sua cruz e me seguir” (Marcos 8:34).

Por que devo fazer Teologia

7. Porque Deus não é um ditador cósmico.

Muitas pessoas encontram conforto na crença de que Deus está no controle completo de nossas vidas. Saber que Deus tem um “plano perfeito” não apenas fornece certeza da salvação, mas também oferece consolo em tempos de grande sofrimento. Talvez não seja surpresa que, em uma era de caos político alimentada pela incapacidade de encontrar um terreno comum, encontremos segurança em um Decisor Cósmico que tome decisões tão claras e finais.

Visto de maneira abstrata, temos aqui outra versão da divindade de auto-ajuda – alguém que aparentemente atende às nossas necessidades e resolve todos os nossos problemas. Mas, como observa Donald Bloesch, “os cristãos bíblicos não afirmam o Deus do poder absoluto, aquele que pode fazer qualquer coisa.” A soberania de Deus não é o poder arbitrário de tornar o círculo quadrado ou o bem do mal. A soberania nua nos deixa sem confiança em quem realmente é esse Deus e se Deus nos ama e será fiel a nós. Felizmente, a Bíblia ensina que “o poder de Deus se manifesta não em decretos arbitrários, mas em amor sacrificial e que serve a outros” (Bloesch), a saber, em Jesus Cristo.

Por que devo fazer Teologia

8. Porque a vontade de Deus para a sua vida não é realmente sobre a suavida.

A pergunta: “Qual é a vontade de Deus para a minha vida?” É irritante para muitos crentes. Mas,

a tentativa de “encontrar” a vontade de Deus pressupõe uma separação entre as vontades “ocultas” e “reveladas” de Deus. Segundo os reformadores, Deus governa providencialmente sobre o mundo de acordo com a vontade oculta ou eterna de Deus, enquanto Jesus apenas fornece acesso à vontade revelada de Deus com relação à salvação. Portanto, ficamos à procura de pistas nas Escrituras e na experiência, tratando a vontade oculta de Deus como um mistério de assassinato a ser resolvido por um detetive de oração.

Uma segunda olhada no Novo Testamento põe em causa a noção de duas vontades em Deus. Segundo o apóstolo Paulo, “Ele [Deus Pai] nos predestinou para adoção à filiação por Jesus Cristo, de acordo com seu prazer e vontade. . . . Com toda a sabedoria e entendimento, ele nos tornou conhecido o mistério de sua vontade, de acordo com seu bom prazer, que ele propôs em Cristo, a ser efetivado quando os tempos alcançarem sua realização – trazer unidade a todas as coisas no céu. e coisas na terra sob Cristo ”(Ef. 1:5,8-10).

O “mistério” da vontade de Deus não se limita aos recantos sombrios da eternidade, mas é “conhecido por nós. . . em Cristo. ”A questão sobre a vontade de Deus nunca é antes de tudo sobre nossas próprias vidas, mas sobre sua vida. A vontade de Deus não é, portanto, um enigma a ser resolvido, mas uma realidade a ser louvada e proclamada.

9. Porque a vida cristã não se resume a comer.

Se há uma coisa que os cristãos sabem fazer, é comer! Potlucks, horas de café, piqueniques – se você pode carregar uma mesa com comida, pode contar com o povo da igreja aparecendo para momentos de “comunhão” e “refresco espiritual”. Talvez seja por isso que a Ceia do Senhor se torne tão facilmente um ponto focal de nossas vidas em comum: faz sentido. De fato, tornou-se cada vez mais central nos últimos anos, mesmo entre as comunidades tradicionalmente de “igreja baixa”, que acham a ênfase na comunhão útil como uma ajuda para se concentrar no pastor divino, e não no pastor humano.

Mas aqui está a questão de comer: faça muito sem fazer exercício e você engorda. Embora comer seja uma experiência restauradora e muitas vezes prazerosa, ele finalmente visa um objetivo além de si mesmo. Nós comemos para viver. O mesmo vale para a vida cristã. 

Chegamos à mesa do Senhor para comer para viver um certo tipo de vida. A Grande Comissão, encontrada em Mateus 28:19-20, descreve o tipo de vida pela qual os cristãos são nutridos à mesa: “Portanto, vá e faça discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo, e ensinando-os a obedecer a tudo o que lhe ordenei. ”Esta é a missão da igreja, o exercício que ela deve realizar para não engordar e indolente, a vida pela qual ela é nutrida por palavras e sacramentos

10. Porque não é apenas o que você acredita que importa, mas por quevocê acredita e como .

Estamos convencidos de que participar de cuidadoso pensamento teológico é uma tarefa essencial da vida cristã. Não podemos mais abandonar a teologia do que podemos abandonar a Deus, uma vez que a teologia está envolvida de alguma maneira sempre que pensamos ou falamos sobre Deus. Consequentemente, toda pessoa é um teólogo. A única questão é se seremos teólogos atenciosos, responsáveis ​​ou irresponsáveis. A jornada do discipulado cristão é uma questão de aprender por que acreditamos e de pensar arduamente e cuidadosamente sobre essa crença, não para que possamos prejudicar os outros com nosso conhecimento, mas para que possamos prestar testemunho fiel de Deus na totalidade de nossa vida.

Teologia é menos sobre o quê e muito mais sobre o como . Somos chamados como cristãos a não assinar uma certa declaração doutrinária, mas a seguir um certo modo de vida. Ser um crente ponderado deve ser comissionado para uma vida de reflexão disciplinada em conversa com os profetas, apóstolos e teólogos que refletiram sobre Deus no passado e cujo legado herdamos. O objetivo não é simplesmente repetir as palavras que eles usavam para proclamar o evangelho em seu tempo e lugar, mas pensar sob sua tutela sobre quais palavras devemos usar hoje.

A teologia é inerentemente um ato de oração, na medida em que oferecemos nossas palavras e pensamentos em serviço a Deus na esperança esperada – pela graça do Espírito Santo – de que eles edifiquem o corpo de Cristo. E essa tarefa orante da teologia nunca é concluída. Como as misericórdias de Deus, é novo todas as manhãs.

Por que devo fazer Teologia

Confirme agora a sua inscrição

R$ 359,90 reais ou

parcele em até 12 x de 36,13 reais

este post foi útil para você

Por favor clique nas estrelas para avaliar o post

Média de classificação 5 / 5. contagem de votos 1206

Até agora nenhum voto! seja o primeiro a avaliar o post

Obrigado pela avaliação

siga-nos nas mídia sociais

Lamentamos que este post não tenha sido útil para você

vamos melhorar este post!

diga-nos como podemos melhorar este post

teólogos corrêa

Teólogos Corrêa fundadores da "Teologia Com Qualidade" traz os melhores cursos de Teologia do modo livre além de deixar você atualizados com o "Blog Da Verdade" e mais de 100 livros em pdf para você fazer o seu download.

Este post tem um comentário

  1. Avatar
    Teologia em Verdade

    Sente o chamado de Deus para estar a frente do seu povo? Se a reposta for SIM, proporcionamos aos Pastores e Lideres uma PREPARAÇÃO para o enriquecimento Espiritual e Ministerial de suas Vidas. Afinal, quando se trata da OBRA de Deus, precisamos fazer o MELHOR!

    Acesse agora: https://teologiacomqualidade.com.br/9n8t

Deixe uma resposta