X

OBSERVÇÃO

Somente na versão completa do site você tem acesso aos ebooks e vídeo-aulas gratuitos

  • Ative clicando no slogam T.C.Q ou
  • Ative o modo completo com link no rodapé

Soli Deo Gloria

a glória de Deus é o esplendor que emana de sua pessoa, ou seja, o brilho insuportável de todas as suas perfeições
0
(0)

Soli Deo Gloria

Os cinco "SOLIs" dos reformadores

SOLI DEO GLORIA

Soli Deo gloria – Frank Horton

Em primeiro lugar, matéria retirada da revista PROMESSES, aqui está o quinto e último artigo dedicado à fórmula dos cinco “soli”: “Sola Fide”. Os 120 pastores, teólogos e educadores reunidos em Cambridge em abril de 1996 reafirmaram a crença dos reformadores de que “a justificação é somente pela graça somente pela fé (ênfase adicionada) somente por Cristo” e acrescentar que “a justificação não repousa sobre nenhum mérito próprio, nem sobre a infusão da justiça de Cristo em nós sacramentalmente”

Derrapagem

Sendo assim a Declaração de Cambridge então se dedica à quinta e última fórmula, “Soli Deo Gloria”, nesse sentido observa com preocupação o desaparecimento virtual da adoração centrada em Deus em nossos círculos evangélicos. Sob o mesmo ponto de vista aqui está um trecho do que ela diz:

“Visto que quer na igreja a autoridade bíblica tenha sido perdida, Cristo foi deslocado, o evangelho foi distorcido ou seja, a fé pervertida, sempre foi por uma razão: nossos interesses substituíram os de Deus. Além disso aplicamos nossos métodos à realização de seu trabalho.

Dessa maneira Deus não é mais central na vida da Igreja hoje é um fato generalizado tanto quanto lamentável. Enquanto isso essa perda que nos permite transformar o culto em entretenimento, não apenas …, como também … a pregação do Evangelho em marketing, entretanto a fé em uma técnica, assim como a ética em apreciação agradável de nós mesmos e posteriormente a fidelidade em busca de sucesso.

Como resultado, Deus, Cristo e a Bíblia perderam muito de seu valor aos nossos olhos e não pesam mais para nós “.

Teólogo Alfred tozer

Por consequência a esse assunto, o teólogo Alfred Tozer escreveu há mais de quarenta anos: “A Igreja abandonou a alta noção de Deus que ela possuía, para substituí-la por um conceito desprezível, indigno de homens capazes de pensar e pensar. adorar. E ela fez isso, não deliberadamente, mas pouco a pouco, sem perceber; além disso sua inconsciência torna sua situação ainda mais trágica. Dessa maneira de conceber Deus, quase universal entre os cristãos, é a fonte dos cem males menos em toda parte em nosso meio. Portanto, uma nova filosofia da vida cristã é a consequência dessa falha fundamental em nosso pensamento religioso “.

De tal forma JM Boice pergunta: “A situação melhorou nas últimas décadas? Parece que não. Pelo contrário, nossa crescente obsessão pelas insignificantes banalidades da televisão, nosso vício em entretenimento egocêntrico e sob o mesmo ponto de vista a mundanidade de nossa cultura só pioraram a situação. Logo assim  o mais triste disso tudo é o fato de a maioria dos cristãos nem perceber o que está acontecendo. “

Pergunta insidiosa

Dessa forma o fato de Deus buscar Sua própria glória é uma afirmação que às vezes é mal compreendida e, portanto, merece uma explicação ponderada. Todavia a pergunta foi feita: “Essa investigação não é egoísta?” Com efeito o pior por trás dessa pergunta se restringe ao sacrilégio, isto é, na medida em que menosprezam Deus no nível da humanidade pecaminosa e egocêntrica. Não! Deus deseja louvor porque é digno de ser louvado; ou seja,  ele pede para ser exaltado por causa de sua grandeza similarmente bondade; resumindo, ele quer ser reconhecido, apreciado pelo que é. Assim também nos leva a olhar para a noção bíblica da Glória de Deus, para defini-la melhor.

Ultra Power Max

A Glória de Deus nas Escrituras

Dessa forma a glória de Deus é o esplendor que emana de sua pessoa, ou seja, o brilho insuportável de todas as suas perfeições. Enquanto isso a Bíblia compara essa glória a um fogo devorador que deslumbra, cega e sobretudo inspira medo, respeito, adoração; em virtude o homem não pode vê-lo inteiramente e viver. No entanto, aqueles que têm um encontro com o Senhor percebem algo: Nesse sentido Israel e Moisés antes do tabernáculo, Salomão na dedicação do templo, Isaías na época de sua vocação, Ezequiel em sua visão, etc.

Portanto a glória divina é revelada na criação e acima de tudo especialmente no homem treinado à imagem do Senhor; manifesta-se por meio de julgamentos; irrompe especialmente na redenção oferecida ao mundo inteiro. Logo assim essa glória inacessível do Deus de Israel chegou perto de nós: isto é, em Cristo fomos capazes de contemplá-la principalmente amá-la sem ser consumida por ela. Contudo Jesus mostrou isso por seus milagres, por sua perfeita santidade, durante sua transfiguração, ressurreição do mesmo modo a ascensão. Por certo o Senhor da glória retornará em toda a glória de sua majestade para julgar e reinar.

Soli Deo gloria

Portanto, dar glória a Deus, ou dar glória a Deus, é louvá-lo, honrá-lo, exaltar e celebrar suas perfeições (daí o termo doxologia, uma fórmula de oração que dá glória a Deus). Logo que glorificar a Deus, portanto, é honrá-lo, reconhecê-lo como o único soberano e a fonte de todo bem. Sem dúvida quem se glorifica, comete a grave falta de roubar  Deus a honra que lhe é devida.

Contudo, glorificar a Deus não se limita ao “sacrifício de louvor, isto é, o fruto dos lábios que confessam seu nome” (Hb 13:15). Eventualmente Jesus não é o nosso modelo quando diz ao Pai: “Eu te glorifiquei na terra; Eu terminei o trabalho que você me deu para fazer “(João 17: 4).

Coisa maravilhosa

Primordialmente, o objetivo buscado por Deus é que sua glória se manifeste em um relacionamento bipartido. Nesse meio tempo, ele revela sua glória em inúmeros atos de generosidade gratuita; e, por outro lado, seus filhos respondem dando-lhe glória por sua ação de graças por tudo o que viram e sem dúvida receberam. Sendo assim por sua vida dedicada à obediência, serviço e testemunho. Ademais o homem foi criado para esta comunhão recíproca no amor, sob o mesmo ponto de vista a redenção em Cristo torna possível para os seres caídos.

Em outras palavras se Deus tem prazer em revelar Sua bondade àqueles que a recebem, não deixa de ser verdade que o homem encontra satisfação e felicidade contemplando a glória de Deus, louvando-o além disso dedicando sua vida. Sobretudo esse assunto, o pequeno catecismo de Westminster coloca como uma primeira pergunta: “Qual é o principal objetivo da vida do homem?” Contudo responde: “O principal objetivo da vida do homem é glorificar a Deus além de encontrar nele sua felicidade eterna”. Nesse ínterim entendemos, então, por que a teologia da Reforma insistia tanto nesse princípio: Soli Deo Gloria, e por que precisamos hoje redescobri-la e reafirma-la.

Tudo é Dele, através Dele e para Ele

Nesse sentido para poder restaurar a Deus a glória devida a Ele, dessa forma, tentemos entender algo da origem, extensão e propósito de Suas obras. Por certo Paulo nos lembra que “existe apenas um Deus, o Pai, de quem todas as coisas vêm, e para quem somos, e um Senhor, Jesus Cristo, por quem são todas as coisas e por quem nós somos”. somas “ (1 Co 8: 6, ver Ef 4: 4,6, Col 1:16)

Acima de tudo, a criação tem sua fonte em Deus, é sustentado por seu poder renovador visto que tem como objetivo sua glória (Sl 19: 2-4). Dessa maneira a criação do homem faz parte desse contexto: portanto, devemos a ele nossa existência e nosso bem-estar todos os dias, bem como nossa razão de ser – glorifique-o! Antídoto eficaz contra a busca egoísta por ganho e felicidade.

!!!! super ofetra imperdível !!!!

Com toda certeza a salvação é de Deus. Assim sendo foi ele quem o projetou e criou, é ele quem o levará à perfeição. Sua realização é por Deus, através da obra de Cristo na cruz; sua realização diária em nós também é por Deus, logo assim, através da ação de seu Espírito; e tudo isso é para a sua glória. Os quatro soli examinados nos artigos anteriores: sola scriptura – a única Escritura – solus Christus – a obra de Cristo somente – sola gratia – graça somente – e sola fide – fé sozinha – com toda certeza, vem de Deus, sendo assim é realizado por ele e leva a um único resultado: soli Deo gloria – somente para a glória de Deus!

Finalmente agora atualmente, o julgamento é de Deus. Ele será exercido por Ele a quem delegou a realização de todas as suas obras – seu Filho – e ressonará para sua glória. (Ap 14: 6)

Em conclusão

Portanto, a palavra final na Declaração de Cambridge: “Deus não existe para satisfazer nossas ambições humanas, nossas concupiscências, nosso apetite pelo consumidor ou mesmo nossos interesses espirituais pessoais. Dessa forma devemos novamente nossa adoração no próprio Deus, e não na satisfação de nossas necessidades pessoais. Dessa maneira Deus permanece soberano na adoração, não nós. Nossas preocupações devem dizer respeito ao reino de Deus e não à nossa própria esfera, nossa popularidade ou nosso sucesso.

“Ó profundidade de riquezas, sabedoria e conhecimento de Deus! Que seus julgamentos são insondáveis ​​e seus caminhos incompreensíveis! De fato, quem conhecia o pensamento do Senhor ou quem era seu conselheiro? Quem o deu primeiro, para receber em troca? Tudo é dele, através dele e para ele! Para ele glória em todas as idades. Amém! “ (Rom 11: 33-36)

este post foi útil para você

Show comments

Nosso website utiliza cookies

saiba mais